_Brainstorm

Festival Path: Marcas devem se manter no ‘jogo infinito’ da relevância, diz Ana Couto

Imagem: Divulgação

A grande questão para a construção de valor de marca hoje não é mais a de como superar concorrentes, mas entender como se manter relevante numa cultura complexa e em constante transformação. Essa ideia é, segundo Ana Couto, designer e CEO da consultoria de branding que leva seu nome, um “jogo infinito”, termo que ela empresta do escritor americano Simon Senek.

“O jogo que deve ser jogado é o jogo infinito, porque traz evolução. Não existe mais ponto de chegada”, diz a executiva que foi uma das atrações do primeiro dia de Festival Path. O evento de inovação e criatividade, que vai de 24 a 27 de novembro, é realizado este ano totalmente gratuito e digital. Por mais uma edição, tem o UOL TAB como parceiro de mídia oficial, realizando transmissões e cobertura diárias.

Ana Couto explica que o jogo ainda disputado por muitas empresas é o de players conhecidos, que supostamente seguem regras claras, com começo, meio e fim, mirando em metas de curto prazo e no objetivo de vencer. “Quando, na verdade, estamos jogando num mundo de jogadores desconhecidos, com regras que mudam diariamente. O objetivo não é ganhar ou perder, e sim se manter relevante. Perder relevância é sair do jogo”, diz.

Na visão da executiva, visões cristalizadas e obsoletas têm sido postas abaixo dia após dia. “Basta olhar este ano e ver a liderança feminina trazendo resultados concretos. A gente viu que países liderados por mulheres souberam lidar com a crise da covid-19 de forma mais efetiva”, diz Ana. Ela lista ainda o impacto do Black Lives Matter e as eleições recorde de pessoas trans no Brasil.

Segundo ela, esses são dados e fatos que não são mais apenas “Nice to have”, mas que são fundamentais de se entender. “São eventos que mostram que certos símbolos não cabem mais no nosso mundo.”

Para se manter relevante em meio às mudanças em curso, recomenda a CEO, é preciso olhar para os fatos, decodificar os próprios valores e, mais do que nunca, investir em criatividade. “A criatividade é vantagem competitiva do século 21”, diz.

Mais insights com UOL TAB

Como parceiro oficial de mídia do festival, o UOL TAB apresenta a gravação ao vivo do “CAOScast”, podcast do grupo Consumoteca, com o tema “Já podemos aceitar que o millennial envelheceu?”. A discussão, programada para esta sexta (27) às 13h, será sobre o impacto do envelhecimento dos millennials no comportamento e no consumo.

Participam da conversa Michel Alcoforado (antropólogo e sócio da Consumoteca), Rebeca de Moraes (jornalista e sócia da Consumoteca), Marina Roale (mestre em mídia especializada em design thinking) e Tiago Faria (especializado em ciências do consumo e sócio-psicologia).

O TAB oferece ainda a mesa “2020, o ano que não aconteceu”, sobre que fim levaram as tendências previstas para o ano. O debate sobre futurismo, acontece nesta quinta-feira (26), às 14h. Será mediado por Luiza Sahd, editora-assistente do TAB, e conta com Yasodara Córdova (jornalista especializada em tecnologia), Lídia Zuin (jornalista e futuróloga) e Rosa Alegria (futurista).