Publicidade em mobile deve alcançar US$ 240 bilhões em 2020, diz App Annie

Reprodução/App Annie Publicidade em mobile deve alcançar US$ 240 bilhões em 2020, diz App Annie

Os investimentos de publicidade em dispositivos móveis devem passar de US$ 240 bilhões no mundo em 2020, um crescimento de 26% em relação ao ano passado, quando foram aplicados US$ 190 bilhões. A projeção é do relatório anual State of Mobile, da consultoria em análise de dados App Annie, divulgado este mês. O levantamento é considerado o principal do segmento sobre o tema.

Esses investimentos crescem à medida que os smartphones atraem cada vez mais a atenção das pessoas no dia a dia. Segundo o report, o tempo diário gasto no uso dos dispositivos móveis chegou a uma média diária de 3 horas e 40 minutos em 2019 — 35% mais do que a medição de 2017. Nesse quesito, o Brasil ocupa a terceira colocação no ranking dos países com o maior tempo gasto no mobile, com uma média de 3 horas e 45 minutos.

O país também aparece na terceira colocação do ranking que mede o crescimento em tempo gasto em apps de compras. A alta foi de 32% entre 2018 e 2019 nesse tipo de ferramenta. Os apps mais baixados dessa modalidade foram Mercadolivre, Americanas, Magazine Luiza, AliExpress e Wish. Os brasileiros seguem na terceira colocação ainda entre os que mais cresceram no uso de apps de comida e de finanças.

Comportamento do brasileiro

Em outro report, desta vez focado só no mercado brasileiro, é possível ter uma amostra de como nós nos comportamos no mobile. Segundo a pesquisa “Panorama Mobile Time/Opinion Box – Uso de apps no Brasil”, de dezembro de 2019, 96% dos respondentes baixam aplicativos no mobile e 50% dizem que já realizaram compras por apps.

O questionário foi aplicado online para 2.002 brasileiros que acessam a Internet e possuem smartphone, respeitando as proporções de gênero, idade, faixa de renda e distribuição geográfica.

Além disso, de acordo com o relatório, em seis meses, subiu de 38% para 45% a proporção de brasileiros com smartphone que assinam algum serviço pago de streaming de filmes e séries. E, em 12 meses, aumentou de 10% para 16% a proporção dos que possuem algum relógio ou pulseira conectados ao seu smartphone

Bancos e fintechs

Para saber a relevância dos aplicativos na vida dos brasileiros, um dos indicadores da pesquisa é se a ferramenta está na tela inicial. No ranking que aponta os 20 aplicativos mais destacados nesse espaço, cinco instituições financeiras aparecem: Caixa (5º lugar), Banco do Brasil (9º), Nubank (12º) , Itaú (16º) e Bradesco (17º).

Segundo a pesquisa, o app da Caixa está presente na homescreen de 12% dos respondentes. E vem numa trajetória de alta. Em seis meses, passou da sétima para a quinta posição do ranking. Trata-se da melhor de sua história, superando pela primeira vez o Facebook Messenger e o YouTube.

Outro app de finanças a subir significativamente de posição foi o Nubank. Em seis meses, saltou da 18ª posição para a 12ª, aumentando sua presença na tela inicial de 5% para 8% dos respondentes. É a primeira vez que a fintech supera gigantes como Bradesco e Itaú no ranking.

Mercados de streaming e áudio digital evoluem em 2020, mas devem se remodelar, diz Kantar
Como a tecnologia 5G vai tornar possível a Internet dos Corpos
5 tendências para o mercado de mídia e marketing que vão movimentar 2020
Games: homens e mulheres jogam por influência de amigos, especialistas e publicidade
Mulheres sem pecados: pesquisa do UOL Universa decifra comportamento feminino 
Mobile, áudio e games: três meios em alta no segmento de mídia e entretenimento
×

Ei, psiu! Não vá embora ainda. Confira esta novidade do UOL AD_LAB:

E-book sobre como o uso de dados potencializa os resultados de campanhas publicitárias e ações de marketing

Faça download aqui