Conteúdo é o que amarra tecnologia e experiência de marca, diz Saad, da GoAd

Conteúdo é o que amarra tecnologia e experiência de marca, diz Saad, da GoAd

Ele é o cara das tendências. No meio publicitário, o jornalista José Saad Neto tem marcado seu espaço com olhar e escuta apurados para as inovações que prometem impactar os negócios das marcas no futuro. Com a missão de traduzir para o mercado brasileiro essas percepções colhidas em festivais internacionais, ele fundou há quatro anos a GoAd Media, uma rede de conhecimento sobre mídia e marketing.

Em meio a tantas novidades tecnológicas que já transformam negócios — inteligência artificial, a realidade aumentada, realidade virtual –, Saad enxerga um denominador comum: é o conteúdo que amarra tecnologia à experiência de marca ao longo da jornada de consumo.

As marcas têm feito um trabalho superestratégico de unir tecnologia e conteúdo, com análise de dados presentes em canais digitais diversos. É uma entrega de conteúdo relevante para as pessoas ao longo da sua jornada que transforma marcas em plataformas de relacionamento”, afirma.

As plataformas — de serviço, relacionamento e experiências — devem ganhar força em 2019, na visão de Saad. “Nada mais é do que uma necessidade das empresas de fazer parte da vida das pessoas, que não vivem mais uma jornada passiva, na frente da TV ou da revista. É uma jornada dinâmica, que não é mais de consumo. É de vida.”

Estar conectado ao consumidor, via plataforma, por vários meios de comunicação e pontos de contato, é o modo que marcas encontraram não só de agregar serviços e experiências aos seus produtos, mas também de acompanhar cada momento do consumidor em sua história.

Uma estratégia a se observar, segundo ele, é a da L’Oréal que, ao longo do ano passado, investiu na compra de startups de realidade aumentada e de tecnologia de espelhos virtuais. “A L’Oréal percebeu que a experiência passa cada vez mais por interfaces digitais. E a empresa precisa se transformar em uma marca de beleza que usa tecnologia para se conectar com pessoas.”

E, se falta narrativa para tanta interação, os publishers se apresentam para suprir essa demanda, aponta Saad. Para ele, há uma tendência de produtores de conteúdo ocuparem o espaço de quem traça as linhas que amarram as novas tecnologias às experiências das marcas.

“É um casamento legal publishers e marcas, porque você vê a possibilidade de o publisher exercer um trabalho de criação de narrativas sem necessariamente precisar de uma agência de publicidade, porque as entregas estão se tornando cada vez mais sinérgicas”, afirma.

Isso é possível porque também os publishers, como modelo de negócio, têm se transformado em plataformas. “É muito legal ver a transição de alguns publishers que encaram a tecnologia como aliada para se reinventar como autoridade em conteúdo capaz de acompanhar as pessoas em diferentes momentos das suas jornadas.”

Minibio

José Saad Neto é jornalista especializado em inovação em mídia pela The London School of Journalism. Foi editor-executivo da ProXXIma, no Grupo M&M, e também atuou como repórter e diretor de conteúdo em veículos e agências. É fundador e head de insights da GoAd Media, rede brasileira de curadoria e conhecimento em comunicação e marketing.

Paulo Loeb: marketing B2B é segmento incompreendido na publicidade
Experiências reais ajudam Jack Daniel’s a se inserir na cultura brasileira 
Atlas Quantum encara desafio de posicionar criptomoedas em meio à desinformação
O que atrasa sua entrega de conteúdo de marca? Estudo ouviu agências e clientes
Para Microsoft, branded content dá profundidade e personalização à mensagem
Como a Natura transformou uma campanha de Dia dos Pais em movimento perene
×

Ei, psiu! Não vá embora ainda. Confira esta novidade do UOL AD_LAB:

E-book sobre como o uso de dados potencializa os resultados de campanhas publicitárias e ações de marketing

Faça download aqui