_Insights

Metaverso em expansão: Relatório mapeia hábitos e tendências emergentes

Imagem: Cash Manacaya/Pexels

A não distinção entre atividades presenciais e digitais deixou de ser previsão futurista para se tornar uma realidade em expansão. No Metaverso — território onde essa vida digital floresce –, hábitos, rotinas, negócios e comportamentos já são replicados. Para compreender esse novo ambiente, o relatório “Into the metaverse”, da Wunderman Thompson Data, mapeou quatro frentes emergentes: MetaLives, MetaSpaces, MetaBusiness e MetaSocieties.

São experiências que incluem comprar roupas e carros para avatares, zoneamento de terrenos digitais e construção de casas virtuais, reuniões holográficas, relacionamentos, e até simulações de novas sociedades mais igualitárias. Para 81% dos entrevistados na pesquisa que deu base ao relatório, a presença digital de uma marca é tão importante quanto sua presença na loja.

O mapeamento une dados de uma pesquisa que ouviu 3.011 pessoas nos Estados Unidos, Reino Unido e China, a entrevistas com 15 especialistas para trazer análises de comportamento, insights e tendências. O objetivo é ajudar o mercado a compreender como o metaverso se desenvolve, apontando oportunidades de comunicação, produtos e negócios.

A constatação inicial é que as pessoas já se veem dependentes de tecnologia: 76% dos participantes admitem que sua vida cotidiana já depende da tecnologia em algum grau. Se olhados aspectos específicos da vida, 64% dos respondentes dizem que sua vida social depende da tecnologia, 56% dizem que sua felicidade depende da tecnologia e 50% consideram seu bem-estar atrelado à tecnologia. Para 93%, a tecnologia é o “nosso futuro”.

Entenda as quatro frentes em expansão no metaverso, segundo o relatório:

MetaLives

Os consumidores estão replicando seus hábitos no universo virtual, fazendo surgir mercados de posses virtuais. As chamadas NFTs não movimentam apenas o mercado de arte, mas impulsiona também modelos de negócios voltados à venda de itens para avatares (D2A). As marcas já começam a ver retorno disso. Em fevereiro de 2021, o mercado NFT RTFKT vendeu 600 pares de tênis digitais em apenas sete minutos, gerando US$ 3,1 milhões. Em junho de 2021, uma bolsa Gucci apenas digital foi vendida na Roblox por mais de 4.000.

MetaSpaces

Os espaços de encontro digital estão em evolução com tecnologias de realidade virtual e realidade expandida. Segundo o relatório, mais do que possibilitar ambientes híbridos, como já acontece em lojas-conceito pelo mundo, essas tecnologias devem redefinir espaços reais como casas, eventos e pontos turísticos na meta-Era. Além disso, terrenos no mundo digital também já estão à venda. O mercado imobiliário virtual estreou em março deste ano com a venda da Mars House, a primeira casa digital do mundo, por US$ 500.000.

MetaBusiness

Os negócios no metaverso já crescem, em meio a um oceano de oportunidades para marcas, anunciantes, varejistas e empregadores. À esteira do gamevertising, que já vem povoando esse ambiente há alguns anos, lojas gêmeas digitais e as experiências de compras aumentadas estão abrindo caminho para a próxima fronteira do varejo, segundo o report. O passo seguinte é migrar ambientes de trabalho para o metaverso, por meio de hologramas, avatares profissionais e workspaces virtuais. “Empresas de tecnologia estão lançando novos produtos e experiências com o objetivo de definir como será o futuro do trabalho”, aponta o relatório.

MetaSocieties

Nos games, as identidades digitais já estão hiper-realistas. E, para 88% dos consumidores pesquisados, seu Eu-digital deve refletir sua ética e valores da vida real. “Os games estão se tornando ambientes onde as pessoas estão definindo sua identidade”, afirma Grant Paterson, head of gaming and eSport, da Wunderman Thompson. Isso abre campo para a construção de sociedades virtuais utópicas, segundo o report, onde comunidades são fundadas a partir de preceitos éticos e valores de equidade. “Pense na possibilidade de criar uma nova sociedade online, porém, fazendo da maneira certa desde o primeiro dia”, propõe Daren Tsui, CEO da Together Labs.


Quem faz os conteúdos UOL para Marcas:

Apuração e redação: Renata Gama / Edição e redes sociais: Raphaella Francisco / Arte: Pedro Crastechini
Gerente responsável: Marina Assis/ Gerente Geral: Karen Cunsolo