_Insights

Beleza inclusiva: homens brasileiros lideram interesse por cosméticos, diz estudo 

Imagem: Mídia/Pexels

Tendência de consumo para 2022 no mundo, o interesse dos homens por produtos de beleza é liderado pelos brasileiros, segundo a pesquisa “Connecting Dots 2022”, da Global Web Index, empresa global especializada em segmentação e marketing digital. “Os consumidores do sexo masculino no Brasil estão mais interessados do que o resto do mundo em produtos de cuidados e higiene pessoal e mais propensos a comprar”, diz o relatório.

Segundo o levantamento, no último trimestre de 2021, 68% dos entrevistados no Brasil disseram ter consumido algum produto de cuidados pessoais. Na média global, este índice é de 55%. Além disso, de modo geral, o interesse declarado do público masculino em beleza é de 23% no Brasil, enquanto a média mundial é de 16%.

Anualmente, o “Connecting Dots” aponta tendências e comportamentos de consumo mundiais em diversos setores. Desde 2018, ouviu mais de 24 mil internautas em 47 países, incluindo o Brasil. “Beleza Inclusiva” é uma das tendências observadas para o ano. O report também aponta “Busca por propósito”, “Economia de atenção”, “Auto curadoria online”, “Nova onda de bem-estar” e “Futuro da criptomoeda” como eixos de 2022.

De acordo com a pesquisa, no setor de beleza, há um movimento de consumo mundial de cosméticos crescente, que independe de gênero e orientação sexual, a chamada “Beleza Inclusiva”. Isso começou a ser observado antes por aqui, mas este ano aparece como tendência emergente em mais mercados.

“O Brasil é um país na linha de frente da tendência de beleza inclusiva, principalmente no que se refere à cosmética masculina. A oportunidade está aí para marcas e varejistas capitalizarem. Mas as estratégias de marketing só podem ter sucesso quando as empresas entenderem e reconhecerem as barreiras atualmente em vigor”, diz o estudo.

Essas barreiras, tanto aqui como fora, são culturais. O estudo diz que a alta do consumo de produtos de beleza por homens começou a ser observada de forma mais importante ao longo da pandemia, especialmente no período mais crítico do isolamento. Ou seja, quando a compra e o uso desses produtos se deram longe dos olhos dos outros. “Ocultas pela pandemia, novas rotinas, comportamentos e atitudes estão redefinindo o cenário da beleza. O confinamento foi uma chance de experimentar”, sugere o estudo.

Conteúdos que desmistificam

Beleza inclusiva dá o tom da série “E aí, Beleza?”, no vertical Universa, do UOL, comandada pela maquiadora Fabi Gomes desde 2021. Nesta quarta-feira (9), estreia a quarta temporada com uma entrevista com a apresentadora Angélica. A cada episódio, Fabi conduz um bate um papo descontraído sobre beleza, maquiagem e vida real com mulheres inspiradoras, de corpos, sexualidades, idades e histórias diversas.

Nesta temporada, pela primeira vez, Fabi também irá abordar a visão masculina da beleza, num papo com o convidado Otaviano Costa, apresentador do OtaLab. Os homens representam 43% da audiência do programa, mostrando que o assunto está longe de ser restrito às mulheres. O formato de “E aí, Beleza?” conta com soluções para participação de marcas de forma amigável com o conteúdo, seja por meio de patrocínio ou projetos customizados.

Com patrocínio da Eudora, o último programa da temporada passada conversou com Daniela Mercury, 56, navegando por assuntos desde o início da carreira passando pelo seu posicionamento político a favor dos direitos LGBTQIA+ e a forma com lida com a beleza.


Quem faz os conteúdos UOL para Marcas:

Apuração e redação: Renata Gama / Edição e redes sociais: Raphaella Francisco / Arte: Julianne Rodrigues
Gerente responsável: Marina Assis/ Gerente Geral: Karen Cunsolo