_Branding

ECOA: nova rede do UOL amplifica ações de quem transforma o mundo

Pessoas, instituições e empresas que criam soluções e iniciativas para tornar o mundo melhor serão o foco da ECOA, a nova plataforma de conteúdo do UOL que estreia dia 1 de outubro. Numa iniciativa inédita no jornalismo brasileiro, a proposta é produzir conteúdo de forma a construir pontes entre os agentes de transformação, público e sociedade, costurando uma rede que possibilite amplificar o alcance e a viabilidade das ações.

“É uma rede para amplificar a transformação. O nome ECOA remete a isso, a ajudar quem está querendo melhorar o mundo a amplificar iniciativas e a noticiar o que muita gente está fazendo”, afirma Murilo Garavello, diretor de conteúdo do UOL.

Para isso, ECOA vai trabalhar com jornalismo propositivo. Além de contar histórias de pessoas, empresas e organizações atuantes na transformação, a ideia é também apontar soluções e informações que conscientizem e sensibilizem a audiência sobre os caminhos que podem ser construídos para que o mundo evolua de forma sustentável.

Nas narrativas abordadas, o foco será registrar o impacto, ou seja, contar a história a partir das transformações que já se tornaram possíveis. “Com isso, a ideia é atingir também um público que ainda não está tão conscientizado. A gente não quer pregar só para convertidos.”

A plataforma foi pensada a partir dos 17 objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU (Organização das Nações Unidas), que foram divididos em grandes temas considerados urgentes, entre eles, educação, mudança climática, saúde, cidades e gestão pública.

Periodicamente, cada um desses assuntos será foco prioritário das produções de ECOA, com conteúdos especiais e documentários, por exemplo. Além disso, a ideia é promover eventos a cada três meses que reúnam pessoas em torno dessas discussões, com palestras, e formação de redes de contato entre agentes e patrocinadores.

Todo o conceito da nova plataforma foi desenvolvido colaborativamente com especialistas do mercado e agentes diversos, numa MESA, consultoria que auxilia times de altíssima performance a encontrar soluções práticas em conjunto.

Com isso, nasceu um formato de criação de conteúdo inovador, apoiado em collabs. Por exemplo, parte do conteúdo será elaborada junto com os agentes de transformação. “Não teria sentido fazer esse projeto no jornalismo tradicional. A gente percebeu que precisa ser mais diverso, que precisa do apoio dessas pessoas, desses agentes de transformação, porque eles podem nos levar a lugares onde não chegamos e oferecer visões que não temos”, diz Murilo.

As cocriações vão ocorrer de diversas maneiras. Uma delas será por meio de curadores de diferentes regiões do país, que vão indicar colaboradores para gerar conteúdo local e sugerir pautas, a partir de seus contextos. A cada três meses, haverá um rodízio de curadoria, de forma que diversas visões de mundo e assuntos sejam contemplados.

Além disso, cada “causador” entrevistado vai indicar outros cinco, para compor uma rede de agentes que troquem experiências, sejam eles pessoas, organizações ou empresas. “A ideia é também gerar valor para as pessoas que querem mudar o mundo”, diz o diretor de conteúdo.

Na ECOA, marcas engajadas em causas e preocupadas em criar iniciativas sustentáveis terão oportunidades de amplificar suas ações, realizar trocas, e encontrar pessoas alinhadas aos seus propósitos. “Haverá seções com conteúdo sobre empresas e grandes empresas que estão tomando iniciativas interessantes, sustentáveis. E também sobre novos negócios, que nascem sustentáveis e ao mesmo tempo são voltados para gerar lucro, o que é bom para todos”, afirma Murilo.

De acordo com o diretor de conteúdo, a inovação na forma de fazer jornalismo que será posta em prática com ECOA é um modelo que vai servir de laboratório de experiências que podem ser replicadas na redação do UOL. “Será um jornalismo mais diverso, que parte de olhares mais ricos”, declara.