A hora dos streamers: marcas experimentam poder de influência e engajamento dos gamers

Divulgação A hora dos streamers: marcas experimentam poder de influência e engajamento dos gamers

Eles chegam a fazer transmissões ao vivo de oito, nove, até dez horas seguidas, com fãs conectados e engajados, acompanhando seus passos nas partidas de jogos eletrônicos. É possível dizer que os streamers de games são parte relevante no movimento de ascensão dos eSports, como mídia de entretenimento de massa. Por isso, marcas e plataformas estão cada vez mais interessadas neles.

Um cartada recente da Microsoft mostrou o poder de influência desses produtores de conteúdo. Quando Tyler “Ninja” Blevins — jogador de Fortnite considerado o maior streamer do mundo — trocou sua plataforma de transmissão, algo se moveu no tabuleiro das gigantes do streaming.

Em agosto, ele deixou a Twitch após assinar um contrato de exclusividade com a Mixer (da Microsoft). O impacto gerado foi tão perceptível que, segundo a Newzoo, agência especializada em marketing de eSports, a contratação pode ter causado “uma migração significativa de usuários”.

Segundo números da agência, em um trimestre, o volume de horas transmitidas na Mixer quase triplicou (alta de 188%). Com isso, pela primeira vez, a plataforma da Microsoft superou o do YouTube Gaming Live nessa métrica. Além disso, o número de canais únicos transmitidos na plataforma dobrou, indo de 1,9 milhões para 3,9 milhões.

Uma das justificativas para a mudança, segundo o Business Insider, foi que o contrato com a Twitch era muito restritivo para a produção de conteúdo e licenciamento de marcas. Ninja tem como patrocinadores empresas do porte de Samsung e Adidas.

Essa disputa entre plataformas pelos streamers de sucesso não se limita aos gamers internacionais. No Brasil, um exemplo foi o do streamer Gigante Richard, que migrou suas transmissões da Twitch para o Facebook Gaming este ano.

Brasileiros na Twitch

Os dois maiores streamers de eSports do país, no entanto, seguem firme na Twitch. Alan “alanzoka” Ferreira, foi o primeiro brasileiro a alcançar a marca de dois milhões de seguidores na plataforma. Ele produz conteúdo de comportamento sobre games, mas também transmite gameplays dos de jogos como Fortnite, Overwatch e Apex Legends.

Felipe “YoDa” Noronha, que já foi considerado o maior streamer do país pela Newzoo, divide as lives com os campeonatos profissionais. Ele integra o time Red Canids Kalunga de League of Legends (LoL) e tem patrocínio da RedBull.

5 marcas não-endêmicas que “zeraram” os eSports com ações inovadoras em 2019
eSports: Rainbow Six tem estrelas brasileiras e cenário competitivo agitado
On e-Stadium, complexo de eSports em São Paulo, nasce com apoio de marcas
Games: homens e mulheres jogam por influência de amigos, especialistas e publicidade
DJ Alok, MC Jottapê e Mano Brown: cultura brasileira se insere nos eSports
Fanta cria mapa no Fortnite. Aprenda com a marca a jogar nos eSports 
×

Ei, psiu! Não vá embora ainda. Confira esta novidade do UOL AD_LAB:

E-book sobre como o uso de dados potencializa os resultados de campanhas publicitárias e ações de marketing

Faça download aqui