Jogos para mobile ficam mais competitivos e ajudam a popularizar eSports

AdobeStock Jogos para mobile ficam mais competitivos e ajudam a popularizar eSports

Os jogos de celular deixaram de ser só passatempo. Desenvolvedoras de games para esportes eletrônicos estão cada vez mais investindo em títulos que rodam também em smartphones. Os já consagrados Fortnite e Cross Fire Legend, além dos lançamentos Free Fire e Brawl Stars, são exemplos.

Na prática, isso aquece o cenário competitivo, que atrai novos jogadores e um número de espectadores ainda maior, impulsionando a popularidade dos eSports. Em 2019, o público global deve chegar a 456 milhões de pessoas, segundo relatório de tendências da Newzoo, agência global de marketing de eSports.

A Newzoo, aliás, aponta os jogos mobile como uma frente em ascensão nos esportes eletrônicos. Isso é possível, segundo a agência, porque os smartphones tornaram-se poderosos o suficiente para igualar certos laptops em processamento. “Como resultado, games que antes eram exclusivos para PC e console já são comuns em dispositivos móveis”, diz o relatório.

À medida que não necessitam mais de “supermáquinas” para rodar, os games competitivos também se tornam mais acessíveis, podendo chegar com mais força aos mercados emergentes.

“Atraídas para o potencial desses mercados, as desenvolvedoras continuarão a adaptar as franquias populares ao mercado de jogos para dispositivos móveis, seguindo os exemplos recentes da Fortnite e do próximo título da Activision-Blizzard, Diablo Immortal”, afirma a Neozoo.

Ações de marca mais criativas

Para as marcas, as disputas nos smartphones criam novas e mais precisas possibilidades para se aproximar dos seus públicos, dentro do cenário de eSports. Além disso, a mobilidade e a informalidade — próprias do celular — abrem terreno para ações mais criativas e divertidas.

O modo “brincadeira” já é uma realidade na divulgação dos games para mobile. Para o Fortnite — hit de 2018 –, a desenvolvedora Epic Games criou partidas entre jogadores profissionais e celebridades. Para divulgar o campeonato mundial de Cross Fire Legend, a Smilegate levou para a China um time irreverente de influenciadores brasileiros.

Com o universo de eSports se tornando cada vez mais móvel, as marcas — tanto endêmicas como não-endêmicas — têm pela frente oportunidades que combinam brand experience, conteúdo, patrocínio de campeonatos e times, e a possibilidade de alcançar o público em qualquer lugar, no momento certo.

Influenciadora Caju mostra que conteúdo sobre games vai além das transmissões 
Marcas nos eSports: conheça narrativas de jogos antes de planejar ação
Games são rede social. Este é o recado de Cannes ao dar GP a Wendy’s
Torneios estudantis de eSports engajam comunidades e atraem marcas
O que a Marvel ensina às marcas ao investir nos heróis dos eSports
Teamfight Tactics: nova onda gamer já é fenômeno de público
×

Ei, psiu! Não vá embora ainda. Confira esta novidade do UOL AD_LAB:

E-book sobre como o uso de dados potencializa os resultados de campanhas publicitárias e ações de marketing

Faça download aqui