Esqueça os estereótipos. Público de eSports no Brasil é diverso e crescente

AdobeStock Esqueça os estereótipos. Público de eSports no Brasil é diverso e crescente

Marcas e agências que olham para o segmento de eSports de forma estereotipada estão perdendo oportunidades. A ideia de que o público dos esportes eletrônicos é essencialmente de garotos imberbes é mito. Dados sobre o mercado brasileiro da Newzoo, consultoria especializada em marketing para eSports, atestam que, não, fãs de eSports não se limitam à Geração Z. E, opa, mulheres têm grande representatividade nesse universo.

Aos números: a população gamer no Brasil é estimada em 75,7 milhões de pessoas, sendo que 47 milhões (62%) jogam eSports. Esses dados estão no estudo “eSports in Brazil: Key Facts, Figures and Faces” (“eSports no Brasil: principais fatos, números e personalidades”), um recorte local do Global eSports Market Report 2018 (Estudo Global do Mercado de eSports), da Newzoo.

Entre todos os gamers, mais da metade é adulta, tem de 21 a 40 anos (55%). Os mais jovens, de 10 a 20 anos, representam 25% dos jogadores. Se olhados apenas os jogadores de eSports, os mais velhos seguem sendo a maioria (55% têm de 21 a 40 anos). E os jogadores mais novos, de 10 a 20 anos, representam 28% do público. Por gênero, o estudo aponta equilíbrio. Entre todos os gamers, homens são 51%, e mulheres, 49%. Já nos eSports, a realidade não é a mesma, mas as mulheres têm uma representatividade de 41%, contra 59% dos homens.

Quem assiste às transmissões

Algo que torna os eSports um território fértil em oportunidades para marcas é um crescente público interessado não apenas em jogar, mas também em acompanhar as disputas transmitidas ao vivo, torcer para times e atletas, como nos demais esportes. Nesse quesito, o mapa da Newzoo coloca o Brasil em terceiro lugar do mundo em maior público de entusiastas de eSports. Por entusiastas se entendem pessoas que assistem a uma transmissão de eSports mais de uma vez por mês.

Até 2017, os entusiastas eram 6,6 milhões no país. A projeção é de que, até o fim deste ano, o público chegue aos 7,6 milhões. Em 2021, essa população já terá quase dobrado em relação a 2017, alcançando 12,3 milhões de pessoas, segundo previsão da Newzoo.

Consumo de conteúdo relacionado

Quem curte game também gosta de consumir conteúdo sobre o assunto. O estudo aponta que, de toda a população online no Brasil, 13% assistem a vídeos sobre games. Ou seja, uma audiência em torno de 15 milhões de brasileiros, levando em conta que 116 milhões de pessoas estão conectadas à internet, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Destes, 29% veem conteúdos relacionados a eSports.

A taxa brasileira é superior à da Argentina (22%) e do México (19%), destaca o estudo. Os games que mais geram audiência em vídeos sobre eSports são League of Legends (citado por 53%), Counter-Strike: Global Offensive (46%), Clash Royale (40%), Dota 2 (25%) e Overwatch (22%).

À medida que os eSports deixam de ser um nicho fechado, para alcançar camadas maiores e mais complexas de audiência, o território vai se tornando cada vez mais atrativo para a publicidade. Não importa se a marca faz parte ou não do universo gamer, aquelas que trabalham com consumidores que em algum momento são aderentes aos eSports encontram oportunidades para impactar seu alvo num ambiente favorável e aberto à interação e ao engajamento

Festival CarnaUOL alcança 850 mil pessoas, e marcas dão banho de energia no público
João Ciaco: Jeep traduz aventura em jornada de consumo para liderar vendas de SUVs
Apex Legends: novo game-sensação é oportunidade para marcas nos eSports
Emoções em dados: neurociência gera insights para campanhas mais impactantes
5 marcas não-endêmicas que viraram protagonistas dos eSports no Brasil
VÍDEO: Como Kassu, Marcão e Vini fizeram da CP+B a queridinha dos clientes
×

Ei, psiu! Não vá embora ainda. Confira esta novidade do UOL AD_LAB:

E-book sobre como o uso de dados potencializa os resultados de campanhas publicitárias e ações de marketing

Faça download aqui