UOL Confere se consolida no combate à disseminação de fake news no Brasil

UOL Confere se consolida no combate à disseminação de fake news no Brasil

As fake news explodiram na internet, especialmente em noticiários de política durante as eleições nos EUA, na Europa e no Brasil. Com a força dos compartilhamentos nas redes sociais e aplicativos como WhatsApp, as notícias falsas se espalham em alta velocidade, aumentando a responsabilidade sobre quem tem compromisso com a produção de conteúdo confiável e de qualidade.

“Além de checar, agora há ainda a função importante de contar para o público que essas informações não são reais”, afirma Irineu Machado, gerente-geral de UOL Notícias.

Para reagir à guerra de informações, o fact checking — checagem de notícias — surgiu como tendência no jornalismo americano e europeu, ganhando espaço em veículos como The News York Times, Washington Post, CNN, The Guardian. Também Google e Facebook passaram a priorizar, em seus algoritmos e rankings de busca, conteúdos de checagem de informações em detrimento dos conteúdos duvidosos.

Como parte desse movimento, em janeiro deste ano, no Brasil, estreou o UOL Confere, serviço que conta com uma equipe de repórteres especiais que vão a fundo na checagem de notícias. A ideia é não apenas desmentir as fake news, mas também contextualizar fatos, com dados, números, mostrando seus desdobramentos. O leitor recebe informação correta e também base sólida, com várias referências, para se certificar dos fatos e confrontar as mentiras que vê por aí em suas redes.

“As pessoas começam a espalhar a nossa informação justamente para esclarecer amigos, parentes que compartilharam notícias falsas. E acabam usando o nosso link para mostrar os fatos reais”, diz Machado.

Estreia foi histórica

A postagem de estreia foi histórica. Uma checagem extensa colocou lupa nos anúncios publicitários que o governo do presidente Michel Temer publicou na grande imprensa, com os feitos dos seus primeiros 120 dias. O UOL Confere mostrou em cada item o que estava correto, exagerado ou mesmo divulgado de forma imprecisa.

Já a checagem mais lida foi sobre uma polêmica que surgiu com um boato sobre a ex-primeira-dama Marisa Letícia. A fake news dizia que ela teria sido uma servidora fantasma do Congresso, e Lula receberia uma pensão graúda após sua morte. O UOL Confere foi às fontes e desconstruiu toda a notícia falsa, inclusive uma imagem produzida por montagem. A checagem obteve mais de 510 mil visitas.

Checagem em eleições

Antes de criar o produto, o UOL realizou experiências de serviço de checagem em duas eleições. Em 2014, o UOL Eleições acompanhou e transmitiu debates em tempo real, conferindo o que havia de fato, falso, ou exagero no discurso dos políticos. A experiência se repetiu em 2016 com mais investimento e parceria com o site Aos Fatos.

Com o sucesso das iniciativas, o UOL decidiu criar um produto permanente de fact checking, que servisse tanto para assuntos de política como de grande repercussão, com a missão de contar para o público a verdade sobre notícias falsas, e se tornar um lugar de referência e confiança para o leitor.

Sempre que você desconfiar de notícias que está recebendo por mensagens ou redes sociais, verifique antes de repassar. Acesse https://noticias.uol.com.br/confere ou faça uma busca por “UOL Confere” e veja se a checagem já foi publicada.

Rafael Gonçalez, do Itaú: conteúdo de publisher tem mais ‘sensualidade’
UOL VivaBem chega como plataforma de referência em saúde e bem-estar
Brasileiro é mais favorável à publicidade, diz CEO da Kantar EUA
Blog do Amaury Jr. traz o que os 9 milhões de visitantes do BOL gostam
O que você precisa saber ao planejar uma campanha de native ads
Marcello Braga leva ‘abordagem científica’ à compra de mídia da Caoa
×

Ei, psiu! Não vá embora ainda. Confira esta novidade do UOL AD_LAB:

E-book sobre como o uso de dados potencializa os resultados de campanhas publicitárias e ações de marketing

Faça download aqui