7 insights do SXSW para as campanhas digitais

7 insights do SXSW para as campanhas digitais

O UOL AD_LAB foi até Austin, no Texas (EUA), para beber na fonte do South by Southwest (SXSW), entrar em contato com tendências e extrair insights. Um dos maiores eventos de inovação, tecnologia e economia criativa do mundo, o SXSW é crucial para o mercado publicitário, de mídia, produção de conteúdo e tecnologia.

Com um line up gigantesco, a gente foi para lá focado em conteúdo e campanhas digitais. Veja 7 principais insights:

1. Contexto é o que dá corpo ao branded content

Sem contexto, sem o apoio de um publisher e da sua audiência, projetos de branded content perdem força. Sozinhos, eles têm problemas de escala. E escala é mais importante do que conversão para o branding.

“Ninguém quer ler branded content feito por marca. Brand managers são muito covardes com relação a conteúdo”, diz Geoff Cottril, ex CMO da Converse.

2. Infuenciadores são solução de escala e não de branding

O poder do influenciador está na comunidade que o segue, na sua audiência. E isso é uma solução de escala. Eles têm muito a ensinar às marcas sobre estratégias de formação de público, por serem capazes de manter a conversa viva e de conquistar sua confiança. Mas branding não é com eles. Branding requer uma linha editorial que reflita o valor da marca.

“Por que não construímos marcas em cima de jornalistas e audiência em cima de influencers? Faz mais sentido que o contrário”, Mark Schaefer, consultor de marketing e de social media

3. Live video precisa fazer sentido

Os vídeos ao vivo estão aí, e as marcas se veem desafiadas a fazer bom uso dessa tendência. Já ficou evidente que será necessário desapegar da qualidade da produção e do controle total sobre o roteiro. Num live, não precisa tudo dar certo e o improviso é até desejado. Para isso, é necessário haver equipe treinada que segure a narrativa.

Mas quando vale fazer um live? É preciso haver propósito e sentido. O recurso só vale em evento quente ou quando há demanda real de interação com o público.

4. Linguagem é desafio para a inteligência artificial

No momento em que a inteligência artificial é uma realidade tecnológica em quase todos os ambientes, o desafio agora recai sobre a linguagem. Como fazer com que robôs falem nossa língua e não o contrário? Cases do mercado gastronômico expostos no SXSW mostraram que o caminho passa por olhar atentamente para a jornada do consumidor. É assim que campanhas digitais podem encontrar pontes de diálogo entre os bots e seus públicos.

5. Em VR/AR, narrativas e conveniência darão rumo para marcas

O jogo ainda está em aberto para as tecnologias de realidade virtual e realidade aumentada. E existe a questão: qual será o hardware vencedor? Qual será o layer entre mundo real e mundo virtual? De certo até agora, é que as narrativas e a conveniência darão o rumo dessas ferramentas para as marcas.

A grande diferença entre VR e AR está no ambiente. Realidade aumentada é como a visão do Homem de Ferro. Já realidade virtual é sair do próprio mundo e entrar em outro. Pensar nesses recursos apenas como imersão ou exploração de um cenário é passado. É preciso saber contar histórias e encontrar utilidade real para elas.

6. Comportamento importa e não mais a idade

As dinâmicas sociais e de relacionamentos mudaram, o que torna a definição do público-alvo mais complexas na hora de segmentar as campanhas. Por isso, definir target por idade é cilada. Um homem de 40 anos pode não estar começando a construir sua família. Ele pode estar curtindo uma balada.

Como encontrar isso em dados? Sites e aplicativos de relacionamentos (como Tinder e Happn) podem ser valiosíssimos. O comportamento de consumo é altamente definido pelo estado civil.

7. No mobile, esteja presente nas horas de distração

As pessoas estão passando mais tempo no celular, e o ideal é estar presente nos “couch moments”. Boa parte do tempo gasto nos smartphones é com distração. A percepção de tempo é diferente – passa mais rápido — e a jornada de consumo no mobile é mais curta, aumentando a chance de conversão. Uma tendência para vendas é o uso de shortcuts para agregadores de e-commerce.

Conheça 14 momentos ideais para impactar seu público no UOL
Andréa Mello mira nas paixões do brasileiro em ações da Samsung
Três erros da publicidade ao usar discurso do empoderamento feminino
Ser diversa e não jurássica é lema da agência Mutato
Com Ana Paula Castello Branco, TIM volta ao topo de ranking de marcas
Cannes se reinventa e dá recado à indústria publicitária: ‘Faça o mesmo’
×

Ei, psiu! Não vá embora ainda. Confira esta novidade do UOL AD_LAB:

capa e-book 2

E-book sobre como o uso de dados potencializa os resultados de campanhas publicitárias e ações de marketing

Faça download aqui